segunda-feira, 16 de maio de 2016

OBRIGADA CAUBY PEIXOTO

Hoje o dia amanheceu triste, lá se foi mais uma grande referência musical, sua voz jamais será esquecida ou comparada e a doçura com que você tratava as palavras vão ficar guardadas em minha memória e no meu coração. Descanse em paz grande Cauby Peixoto.

Foi Deus

Não sei
Não sabe ninguém
Por que canto fado
Neste tom magoado
De dor e de pranto
E neste tormento
Todo sofrimento
Que eu sinto na alma
Cá dentro se acalma
Nos versos que canto
Foi Deus
Que deu luz aos olhos
Perfumou as rosas
Deu ouro ao sol
E prata ao luar
Foi Deus que me pôs no peito
Um rosário de penas
Que vou desfiando
E choro a cantar
Que pôs estrelas no céu
E fez o espaço sem fim
Deu luto às andorinhas
Ai deu-me esta voz a mim
Se canto
Não sei o que canto
Misto de ternura
Saudade, ventura
E talvez de amor
Mas sei que cantando
Sinto o mesmo quando
Se tem um desgosto
E o pranto no rosto
Nos deixa melhor
Foi Deus
Que deu voz ao vento
Luz no firmamento
E pôs o azul nas ondas do mar
Foi Deus que me pôs no peito
Um rosário de penas
Que vou desfiando
E choro a cantar
Fez poeta o rouxinol
Pôs no campo o alecrim
Deu flores à primavera

Aí, deu esta voz a mim.
Cauby Peixoto